quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Holiday, Birthday, Funeral

Já faz tempo, eu sei. Mas as vezes quando acordo ainda sinto a mesma dor que senti no dia em que aquele maldita bala atravessou o seu peito. Foi uma dor seca e duradoura. Um último impulso acabou por fim com tudo.
Mas na maior parte do tempo, lembro apenas do seu caminhar. Lembro de te admirar enquanto você dava voltas e mais voltas naquele humilde palco. Hoje ele já não existe mais, se quer saber. Sempre que posso, passo na porta, apenas para olhar.
A cidade continua vazia. Alice e Ed continuam os mesmos aloprados de sempre. Sempre tentam me puxar para alguma aventura nova, eu tento fingir que estou bem, e continuo recusando.
Sua família se mudou logo depois da sua.... sua ida. Não sei para onde foram. Não deixaram rastros. Nenhum.
E eu... bom, eu continuo a mesma. Talvez um pouco mais branca e com o pulmão mais prejudicado, mas ainda a mesma que um dia você conheceu.
Alice disse que eu não deveria escrever essa carta, porém acho que é uma boa forma de tentar expressar tudo o que sinto, mesmo que você nunca leia.
Para terminar, eu só gostaria que você nunca esquecesse o quando eu ainda te amo. Teve uma época que tentei esquecer tudo, tudo mesmo. Logo depois que me libertei daquele lugar imundo. Mas não conseguia. Provavelmente eu não queria. Não podia simplesmente esquecer de tudo que passamos. E ao mesmo tempo não posso acreditar que tudo tenha sido tão rápido.
Por tempos me perguntei o pq de tamanha injustiça, a resposta nunca veio. Logo desisti de me questionar e voltei a escrever. Tentei escrever da forma mais fiel possível as minhas lembranças tudo que aconteceu durante aqueles meses. Após alguns barris de lágrimas, acho que finalmente consegui terminar. Espero que você aprove.
Espero a cada dia pelo momento de ver seu rosto novamente. Sinto que a cada dia que passa isso irá acontecer mais e mais rápido. Espero que sim. Não sei se aguentarei muito mais tempo. Mas tentarei sobreviver o máximo possível. Tentarei voltar a viver. Prometo.


Te Amo.

Sarah.


Criei mais uma personagem chamada Sarah para a coleção. Pq eu só tenho dois nomes para as principais mulheres de minhas historias: Anna e Sarah. E cansei de Anna por enquanto.



Ouvindo: Sleep When We are Dead - The Organ Beats



3 comentários:

The Writer disse...

Manoel Carlos mode, né... Sempre com o mesmo nome pra personagem principal rsss
E que texto triste! Passa uma melancolia tão grande que eu senti daqui. Cheer up that Sarah! lol

Vivi Hitachiin disse...

Misterioso, melancólico e lindo, como todas as suas histórias! :)
Saudades das Sarah's! A última que eu me lembro era uma vampira...

ChutaLetra disse...

Credo, cada dia que passa você escreve melhor! Vai, agora assume: você é um robô, um daqueles japoneses, bem foda. Uma nova tecnologia que, ainda em teste, não foi revelada a ninguém mas eu, super esperta, reparei antes! :D


Ótimo texto! Ótima história!